quinta-feira, 8 de abril de 2010

Parte 2 - Emma Smith, heróis SUD não-tradicionais

Depois de uma longa espera, eis a segunda parte da série "Os outros heróis mórmons", neste epísódio viajamos um pouco pelo mundo do mágico de Oz e lançamos um novo olhar sobre a perspectiva de Emma Smith, sem mais delongas o artigo, bom proveito!

E para nos ajudar a desenvolver este assunto um pouco mais queria compartilhar um pequeno trecho de uma canção do musical “Wicked”. Nesta música o mágico está falando com Elphaba que é uma bruxa. Eles comentam sobre a História e como ela pode às vezes nos pregar peças. E este é o mágico explicando à Elphaba porque algumas vezes ele se sente um pouco enganado sobre a forma como ele foi ensinado pelos habitantes de Oz:

“(Mágico de Oz) -Você está vendo? Eu nunca tive uma família para mim, por isto sempre quis dar de tudo aos cidadãos de Oz.
(Elphaba) -Então você mentiu para eles
(Mágico de Oz) -Elphaba, de onde eu vim, nós acreditamos em todo o tipo de coisas que não são verdadeiras, nós chamamos isto de História...

Um homem é chamado de traidor, ou de liberal.
Onde um homem rico é um ladrão ou um filântropo.
Onde ele é um desbravador ou um invasor sem-valor.
Tudo depende com qual nome ele será capaz de perdurar.
Existem uns poucos à vontade com as ambiguidades morais,
então nós agimos e pensamos como se eles não existissem...”

Bem, espero que tenha pegado o espírito da coisa, que ele nota sobre o fato de que através da história nós temos a tendência de exaltar as pessoas ou de menosprezá-las ou de uma forma ou de outra temos a tendência de colocar chapéus brancos nos mocinhos ou pretos nos bandidos e na verdade Gregory Prince nos lembra de que “não existem chapéus brancos ou pretos” na história ou na história americana ou história mórmon... Existem apenas pessoas tentando fazer o seu melhor de várias maneiras para ajudar a humanidade ou ajudar a causa. Pode parecer que estou tentando dizer que estes heróis mórmons não-tradicionais que eu falei no início são os de chapéu branco enquanto que os líderes da Igreja são os de chapéu preto, não quero dizer isto, só quero dizer que as coisas são muito mais complexas do que podem normalmente parecer.

Então, vamos  falar sobre alguns deste heróis SUD não-tradicionais os quais eu tenho um grande respeito:

O primeiro que quero falar é Emma Smith, do site JosephSmith.net nós lemos que “O casamento de 17 anos de Joseph e Emma Smith foi abençoado com 11 filhos (2 adotados), dos quais 6 faleceram na infância.”

Um imenso custo que Emma pagou, não apenas por perder 6 filhos a medida que ela apoiava Joseph na restauração, mas também por mais tarde perder seu esposo.

Nos diários de Joseph datado de 1842 ele evidencia isto nas seguintes linhas:

Muitas foram as reverberações em minha mente quando eu contemplei por um momento as muitas cenas que tínhamos passados juntos. As fadigas e os cansaços, as tristezas e sofrimentos e as alegrias e as consolações de tempos em tempos [que] tinham semeado nossos caminhos e coroado nossa família. Oh! que coexistência de pensamentos encheu minha mente pelo momento, mais uma vez ela está aqui ... firme, destemida e inabalável, imutável, afetuosa Emma.”

Estes são as reflexões de  Joseph sobre Emma e como ela era tão importante, amada e fiel esposa.
Bem, se todas estas coisas são verdadeiras, Emma se sacrificou tanto pela Igreja, se ela foi tão corajosa e leal e foi tão amada por Joseph, porque não ouvimos muito sobre ela em nosso tempo como membros da Igreja?

Ora, talvez esta citação feita por Brigham Young  datada de sua época possa dar alguma luz de como a figura de Emma Smith foi colocada de lado ou em uma posição negativa quanto a posição histórica da Igreja:

Pelo meu conhecimento, Emma Smith é a mais extraordinária mentirososa que eu conheci sobre esta terra. Nem seis meses antes da morte de Joseph, ele chamou [a] em um conselho secreto ... Disse-lhe o tempo se encarregou de envenená-la, e ele disse que ela era literalmente uma criança do inferno, que ela era a mulher mais perversa sobre a terra, que não havia mais perversa do que ela
Brigham Young – Utah Historical Quaterly, vol.48, Winter 1980, 82 – From fairlds.org

Bem, é obvio que neste ponto, Brigham estava desapontado com Emma e não gostava do fato de que ela não o seguiu em caravana até Utah e até talvez faça algum sentido de que ele estivesse magoado com ela, mas certamente a influência de Brigham Young alterou a imagem que todos na igreja tinham de Emma Smith, enquanto mesmo Joseph Smith mantivesse uma visão diferente sobre ela.

Bom, vamos estudar Emma um pouco e procurar saber algumas de suas dúvidas principais,
eu diria que as duas principais questões de Emma eram:
Poligamia e Brigham Young
Mas para entender Emma temos que revisar a história da poligamia na Igreja, é dito que Joseph recebeu a revelação sobre a poligamia por volta de 1831, mas aparentemente ele não disse para ninguém (incluindo Emma, membros da primeira-presidência, etc.) inclusive não existem documentos oficiais de Joseph Smith discutindo sobre a poligamia até 1840, dez anos após, posso estar enganado sobre isto. De fato em Doutrina & Convênios de 1835, quatro anos após a dita revelação sobre poligamia ter sido recebida se lê:

“Na medida em que esta Igreja de Cristo tem sido acusada do crime de prostituição e poligamia, declaramos que acreditamos que um homem deve ter uma esposa, e uma mulher apenas um marido, salvo em caso de morte, quando lhes e dada a liberdade de casarem-se novamente.”
1835, Doctrine and Convenants, section 101

Logo, aparentemente, Emma e Oliver Cowdery não lhes foram explicados sobre estas revelações mas no entanto descobriram sobre poligamia ao encontrar Joseph Smith “no ato”
com uma outra mulher. O exemplo é Fanny Alger, que era uma doméstica na casa de Joseph e Emma encontrou Joseph e Fanny Alger juntos e esta parece ser a primeira vez que ela ouviu a respeito e mesmo ali ela não ouviu Joseph dizer que havia recebido uma revelação, no entanto ouviu de Joseph algo como um me desculpe Emma, eu pequei, por favor me perdoe pela minha falta de fidelidade... estas são as minhas palavras, não as de Joseph, mas elas vêm de relatos históricos da ocasião que eu li, logo se você souber de algo diferente me diga a respeito sobre este relato. Mesmo Oliver Cowdery em 1838 foi excomungado da Igreja por ter acusado Joseph de adultério com Fanny Alger e estava claro que ele não tinha conhecimento de nenhuma revelação recebida por Joseph até então. Logo as coisas não estão muito claras a respeito da forma como queríamos, de fato Joseph negou publicamente que praticasse poligamia até a sua morte, e a Igreja não reconheceu a poligamia publicamente até 1850 quando Brigham Young disse”

Os únicos homens que se tornam deuses, até mesmo os Filhos de Deus, são aqueles que entram no convênio da poligamia. Outros podem até atingir uma glória e até serem permitidos entrarem na presença do Pai e do Filho, mas não podem reinar como reis na glória, porque tinha sido oferecida a eles, e eles se recusaram a aceitá-la” Journal of Discourses 11:266

Bem, parece bem confuso. Mesmo quando prometemos parar com a poligamia em 1890, nós continuamos a mantê-la por pelo menos mais 15 anos quando foi necessário um segundo manifesto para pedir ao líderes da Igreja para pararem com a prática ilegal.

Dada esta confusão sobre poligamia, dadas as negações por parte da Igreja e líderes, dados os problemas com as formas que foram lidadas estas situações, conseguimos entender o porque de Emma se negou a apoiar a poligamia e não quis seguir Brigham Young até Utah? Acredito que agora podemos entender sua frustração. Mas a frustração não termina ali. Hoje em Doutrina & Convênios 132:61 lemos:

“E também, no tocante à lei do sacerdócio: Se um homem desposar uma virgem e desejar desposar outra e a primeira der seu consentimento; e se ele desposar a segunda e elas forem virgens e não estiverem comprometidas com qualquer outro homem, então ele estará justificado; ele não pode cometer adultério, porque elas lhe foram dadas; pois ele não pode cometer adultério com o que lhe pertence e a ninguém mais.“

Então nos anais da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias datados de 2010, poligamia é ainda doutrinária e registrada oficialmente em seus livros de escritura-padrão, no entanto quando Gordon B.Hinckley foi entrevistado por Larry King em seu programa “Larry King Live” de 08 de setembro de 1998 e Larry lhe pergunta sobre a poligamia sua resposta é “eu a condeno. Sim, como prática. Porque eu acredito que não é doutrina”. Bem, muitas pessoas irão dizer que ele queria dizer outras coisas, estava falando para uma audiência de não-mórmons, ele queria dizer que as pessoas não praticam hoje em dia, mas estas palavras são chocantes e não poderiamos imaginar Brigham Young ou outros dizendo e nos faz de certa maneira pensar , a poligamia é doutrina ou não? A Igreja certamente não disse que não era e agora temos aí Gordon B.Hinckley dizendo que não é... não o é?
E mesmo Mitt Romney, canditado SUD,  que esteve em 2007 concorrendo a presidência disse

Não posso imaginar algo mais repugnante do que a poligamia” no programa “60minutes”

Qual a diferença principal entre Brigham Young, Joseph Smith as posições de Gordon B.Hinckley ou Mitt Romney e até outros? Ora apenas 150 anos e isto o que mudança na Igreja pode fazer.
Então, até aonde eu sei, acredito que temos sido negligentes com Emma Smith, creio que devemos colocá-la novamente em seu devido lugar em nossa parede da fama como uma heroína na Igreja como alguém que incansavelmente apoiou Joseph e a Igreja e sacrificou de fato tudo pela Restauração, esta então é a heroína número um, Emma Smith, não-tradicional.

Share/Bookmark

7 comments:

Antônio Trevisan Teixeira disse...

O problema com nossa relação a respeito de Emma é o mesmo problema com todos os heróis (e bandidos) do passado. Esquecemos que estaias figuras históricas foram seres humanos.

Sobre o tema do casamento plural, me pergunto se ainda veremos uma edição de D&C 132, tirando as referências à pluralidade de esposas.

Max disse...

Gostaria de parabenizar vocês dois pelas informações aqui contidas. Não sou mórmon e nem anti-mórmon. Sou apenas alguém que não vive de delírios, que gosta da história verdadeiramente embasada, sem máscaras. Encontrei isto neste blog. Continuem a pesquisar e repassar informações sérias e não maquiadas de subjetividade. Abraços!!!!!

Anônimo disse...

Como vcs tem a coragem de manchar a figura do profeta desta maneira pintando-o como se fora um adúltero???? Quais as fontes q vcs têm para referendar tal ofensa???

Anônimo disse...

Olá acabei de encontrar esse blog, achei muito esclarecedor, não sou mórmon, mas tenho alguns amigos maravilhosos mórmons, e quando me deparei com o blog hoje fiquei em feliz ao perceber que posso fazer meus comentários e talvez eu até tenha algumas respostas que já fiz a esses meus amigos, mas não tive clareza, se possível vocês podem me responder, mas se não quiserem posso entender, já agradeço essas postagens tão esclarecedoras. Bem não tenho religião, mas já envolvi em várias pesquisas e o mormonismo é uma das que me simpatizo entre outras questões eis algumas:
1- Já fui em algumas aulas de vocês e por duas vezes ouvi que "os profetas modernos jamais irão desencaminhar seu povo ou ensinar princípios contrários as leis de Deus", minha questão é por exemplo nesse post, há uma forte citação de um profeta de Deus expressando algo negativo sobre uma pessoa, no caso BY falando mal de Emma, como pode um profeta ter tal atitude?
2- Li em um livro de vcs a grande apostasia, uma edição em inglês bem antiga, onde o autor, afirma categoricamente que os" negros eram uma raça inferior e que não guardaram corretamente seu primeiro estado" e BY em outra ocasião afirma que os negros jamais teriam o sacerdócio, como pode autoridades da Igreja Mórmon se contradizerem tanto quando afirmam ser videntes e reveladores?
3- D&C passou por diversas mudanças e houve alterações no teor das interpretações, como isso é possível?
desculpem se eu estiver sendo inconviniente não é minha intenção, são dúvidas mesmo do coração, desde já agradeço e mais uma vez parabenizo o blog,
Fabiolla Fernandez

Anônimo disse...

Desculpem o livro que citei acima não é agrande apostasia, me confundi, mas ganhei ele tbém,porém sobre os negros que cito foi no caminho da perfeição, obrigada
Fabiolla Fernandez

Fabiolla Fernadez disse...

já consegui virar seguidora
Fabiolla Fernandez

Anônimo disse...

excelente estudo!

Postar um comentário