segunda-feira, 30 de agosto de 2010

A Primeira Visão de Joseph Smith, versão de 1832

Anteriormente eu já havia publicado aqui no blog um artigo sobre as várias versões sobre a Primeira Visão de Joseph Smith, desta vez em minhas pesquisas, ao me deparar com o relato em sua íntegra resolvo disponibilizá-lo aqui em caráter exclusivo para os leitores do Diário História SUD (DHS) pela primeira vez em português para que possa servir para futuras consultas.

Primeiramente gostaria de informar que este material traduzido trata-se do único relato de Joseph Smith sobre sua Primeira Visão em que o próprio escreveu, que é datado de 1832(veja figura) sendo que nas outras versões encontramos escritos de outros líderes e membros da Igreja. Para iniciarmos sua leitura gostaria de ressaltar alguns elementos-chave deste relato:
  • Joseph Smith inicia um estudo profundo das Escrituras com a idade de 12 anos.
  • Sentia-se responsável pelos seus pecados
  • Determinava que todas as Igrejas estavam erradas 
  • Nenhuma menção aos reavivamentos religiosos da época
  • Omite qualquer descrição de busca por tesouros escondidos 
  • Idade de 15 anos (No seu 16º. De aniversário) 
  • Lugar da visão não é definido
  • Visão do Salvador - Jesus Cristo
  • Disse que seus pecados foram perdoados. Tinha caído em trangressão.  
  • Nesta época, Joseph Smith havia ditado a seção 84 de Doutrina e Convênios, afirmando que nenhum homem poderia ver a face de Deus sem o Sacerdócio e viver (D&C 84:22) 

Registro da Primeira Visão de Joseph Smith datado de 1832, escrito por ele mesmo:

... Assim, por volta da idade de doze anos minha mente se ocupava sobre todas as importantes questões do bem-estar de minha alma imortal, que me levou a buscar nas escrituras, crendo no que havia sido me ensinado de que continham a palavra do Senhor. Assim, me aplicando desta forma  nelas e no meu íntimo conhecimento daqueles de diferentes denominações, me levaram a questionar àqueles congregantes o porque não adornavam suas profissões através dos sagrados caminhos e conversas divinas que eu encontrara contidas naquele sagrado depositório. Isto era um sofrimento para minha alma. Assim, por volta da idade de doze a quinze anos, eu ponderava sobre muitas coisas em meu coração sobre a situação do mundo e da humanidade, suas contendas e suas divisões, suas abominações e da escuridão que impregnava as mentes da humanidade. Minha mente ficou extremamente angustiada porque reconheci meus pecados e pesquisando as escrituras, descobri que a humanidade não se tinha chegado ao Senhor, mas que tinham se apostatado da fé verdadeira e viva e não havia sociedade ou denominação que tivesse construído sobre o evangelho de Jesus Cristo tal qual registrado no Novo Testamento e comecei a lamentar pelos meus próprios pecados e pelos pecados do mundo...
E eis que, clamei ao Senhor por misericórdia porque não havia mais ninguém a quem eu pudesse alcançar e obter a misericórdia, e o Senhor ouviu o meu clamor no deserto e enquanto estava em atitude de clamar à Deus no ano 16º. da minha idade, um pilar de luz mais brilhante que o  sol ao meio-dia veio de cima e pousou sobre mim, e eu estava cheio do espírito de Deus e Senhor abriu os céus acima de mim e eu vi o Senhor, e ele falou-me dizendo:  Joseph meu filho os teus pecados te são perdoados. Vais agora em teu caminho e ande nos meus estatutos e guardes os meus mandamentos;  pois eu sou o Senhor da glória que foi crucificado por todo o mundo para todos àqueles que acreditam em meu nome possam ter vida Eterna; pois eis que o mundo jaz no pecado, e neste momento não fazem bem nenhum;  eles se desviaram do evangelho e não guardam os meus mandamentos;  eles se aproximam de mim com seus lábios enquanto seus corações estão longe de mim e minha ira se inflamará contra os habitantes da terra para visitá-los de acordo com o que já vos tenho falado pela boca dos profetas e apóstolos e eis que venho sem demora, uma vez que está escrito de mim, na nuvem revestida na glória de meu Pai.  E minha alma se encheu de amor e por muitos dias pude me regozijar com uma grande alegria pois o Senhor estava comigo, mas não pude encontrar nenhum que acreditasse nesta visão celestial. No entanto, eu ponderava sobre essas coisas em meu coração...


Fontes: Dean C. Jesse, ed., The Papers of Joseph Smith: Autobiographical and Historical Writings, 2+ vols. (Salt Lake City: Deseret Book Co., 1989-), 1:5-7. Os manuscritos originais de Joseph Smith encontram-se nos Arquivos da Igreja (LDS Church Archives)

Share/Bookmark

1 comments:

Marcelo Bighetti disse...

Oi Flauber, também há a versão de 1835. Vou preparar o texto e postarei por aqui.

Postar um comentário